RACIONALISMO x EMPIRISMO


Racionalismo e EmpirismoPossuem conteúdos diferenciados. Um método para entende-los - comumente utilizado pelo Racionalismo - : a análise. 3.1   Conhecimento Científico

  • O Racionalismo argumenta que a obtenção do conhecimento científico se dá pelas idéias inatas, que seriam pensamentos existentes no homem desde sua origem que o tornariam capazes de intuir (deduzir) as demais coisas do mundo. Tais idéias inatas seriam o fundamento da Ciência.
  • Para o Empirismo, a Experiência é a base do conhecimento científico, ou seja, adquire-se a Sabedoria através da percepção do Mundo externo, ou então do exame da atividade da nossa mente, que abstrai a Realidade que nos é exterior e as modifica internamente. Daí ser o Empirismo de caráter individualista, pois tal conhecimento varia da percepção, que é diferente de um indivíduo para o outro.

 3.2  Origem das Idéias

  • Para o Racionalismo podem existir 3 tipos de Idéias:

a) As do mundo exterior formadas através da captação da Realidade externa por nós mesmos internamente; b) As inventadas pela Imaginação, fruto do processo criativo da nossa mente; c) As idéias inatas, aquelas que já nascem com o sujeito, concedidas por Deus como uma dádiva, e que são a base da Razão. Com estas idéias podemos conhecer as leis da Natureza, que também foram criadas por Deus. Tal princípio parte da certeza do pensamento para afirmar qualquer outra realidade.

  • O Empirismo diz que a origem das Idéias é o processo de abstração que se inicia com a percepção que temos das coisas através dos nossos sentidos. Daí diferencia-se o Empirismo: não preocupado com a coisa em si, estritamente objetivista; nem tampouco com a idéia que fazemos da coisa atribuída pela Razão, com ensina o Racionalismo; mas puramente como percebemos esta coisa, ou melhor dizendo, como esta coisa chega até nós através dos sentidos.

 3.3   Relação de causa e efeito

  • As relações de causa e efeito são vistas pelo Racionalismo como obedientes ao Mecanicismo. Por este, entender-se-ia que a Razão rege as leis da Extensão (materialidade das coisas) e do movimento. Tal rigor seria matemático e completamente objetivo, ou seja uma propriedade do Real. Em outras palavras, as relações que o homem observa são inerentes aos objetos em si e à Mecânica da Natureza, espécie de engrenagens que obedecem a uma ordem preestabelecida.
  • Para o Empirismo a relação de causa e efeito nada mais é do que resultado de nossa forma habitual de perceber fenômenos e relacioná-los como causa e consequência através de uma repetição constante. Ou seja, as leis da Natureza só seriam leis porque observaram-se repetidamente pelos homens.

 3.4   Autonomia do sujeito

  • Para o Racionalismo a liberdade de consciência do indivíduo tem um fim: uma justa apreciação dos bens, dizendo ainda que haveria uma identidade permanente da consciência individual.
  • Já o Empirismo nega tal identidade permanente, pois o conteúdo de nossa consciência varia de um momento para outro de tal forma que ao longo do tempo essa consciência teria, em momentos diferentes, um conteúdo diferente. A explicação está no fato de que a consciência, como sendo um conjunto de representações, dependeria das impressões que temos das coisas, mas sendo impressões estariam sujeitas a variações.

 3.5  Concepção de Razão

  • O Racionalismo vê a Razão como a capacidade de bem julgar e de discernir o verdadeiro do falso. Entende que a Razão é independente da experiência sensível, e que pertence ao Espírito que é diverso da Extensão.
  • O Empirismo apesar de não possuir pensamento contraditório entende de forma bem diferente: diz que a Razão é dependente da experiência sensível, logo não vê dualidade entre espírito e extensão(como no Racionalismo) , de tal forma que ambos são extremidades de um mesmo objeto.

 3.6   Matemática como linguagem

  • Para o Racionalismo deve-se utilizar do método de conhecimento inspirado no rigor da Matemática. Vale dizer, completo e inteiramente dominado pela Razão: "os princípios conhecidos por intuição desempenham o papel de axiomas". É o método dedutivo que parte do geral para o particular, primeiro elaboram-se as suposições e depois são feitas as comprovações ou não.
  • No Empirismo tal método matemático não é aceito. A experiência é o ponto de partida de nosso conhecimento, logo não há necessidade de fazer hipóteses. Assim caracteriza-se o método indutivo que parte do particular (experiências) para a elaboração de princípios gerais.  by Ilan de Souza.(Estudante do 5º sem./Fac. de Direito/UFBa.)

empirismo

quarta 15 agosto 2007 11:19 , em FILOSOPHIA



14 comentário(s)

  • Scheila Ter 25 Set 2012 18:57
    MUITOO BOOM !!
  • Renata Sex 27 Jul 2012 01:35
    muito bom
  • Raquel Sex 20 Jul 2012 04:56
    Estou pensando em fazer um artigo,e me ajudou muito.
  • gabi Sex 22 Jun 2012 01:58
    o texto é muito confuso
  • ariane Ter 05 Jun 2012 19:01
    perfeiiito
  • Henrii Dom 13 Mai 2012 17:17
    poderia ser uma linguagem mais facil! nao gostei muito
  • annurb Ter 17 Abr 2012 15:09
    oi me ajudou bastante que deus ilumine o seu coração
    tinha um trabalhão p faser e vc me ajudou obg
  • deisiane mailto Ter 22 Nov 2011 20:56
    muito bom este texto consegui entender tudo muito obrigada
  • Ibsen Ter 08 Nov 2011 15:00
    Foi muito bom encontrar este texto. Estou estudando para a prova e não tonha nada no livro adotado na escola a respeito deste assunto.
    Obrigado
  • Zina mailto Ter 04 Out 2011 00:53
    não entendi nada


Seu comentário :

(Opcional)

(Opcional)

error

Importante: comentários racistas, insultas, etc. são proibidos nesse site.Caso um usuário preste queixa, usaremos o seu endereço IP (54.226.168.96) para se identificar     



Abrir a barra
Fechar a barra

Precisa estar conectado para enviar uma mensagem para profesron

Precisa estar conectado para adicionar profesron para os seus amigos

 
Criar um blog